Homens: vamos falar de igualdade?

Deve o homem estar envolvido quando se fala em igualdade de género? A resposta é sim. Claro que sim. Mas como? E porquê?

Antes de começar, quero estabelecer alguns pressupostos: as ditas “questões das mulheres” ou os direitos das mulheres também dizem respeito aos homens e rapazes. Dizer que não, é promover e justificar a inação dos mesmos e desresponsabilizá-los do seu papel e envolvência. Tudo o que esteja relacionado com a igualdade de género deve incluir todas as partes. E o homem é uma delas.

Quando olhamos para as estatísticas criminais, mais de 90% dos arguidos e dos detidos são do sexo masculino (ver Relatório Anual de Segurança Interna de 2017). Para além de fatores como, por exemplo, desigualdades socioeconómicas, a violência tem como base a forma como socializamos os rapazes. Por isso, urge reformular o modo como os educamos, mas também as raparigas, e refletir em conjunto sobre que medidas podemos criar para promover a diminuição e a prevenção da violência e das desigualdades. O objetivo transversal do encontro “O homem promotor da igualdade – homens e mulheres lado a lado pela igualdade de género” é este mesmo. Queremos refletir sobre de que modo o homem pode e deve participar, sobre quais são os desafios dessa mesma participação, sobre masculinidades cuidadoras, tóxicas, agressivas, não violentas. Com este evento pretendemos ter esta visão abordada através de diferentes temas, como por exemplo “Parentalidade e masculinidades cuidadoras” ou “As várias dimensões de ser homem”, dois dos painéis incluídos no programa.

É preciso refletir sobre a reprodução de estereótipos de género que reforçam crenças de que o homem é uma “parede”, não tem nem pode exteriorizar emoções, não fala dos seus sentimentos, é uma pessoa agressiva, mais prática em termos de tarefas manuais. É necessário desconstruir estas ideias erradas. E este encontro é um espaço que proporciona estas e outras reflexões. Um homem que não saiba mudar o óleo ou o pneu do carro é menos homem por isso? Um homem que seja educador de infância será que é menos homem do que os outros?

Através da luta pela igualdade de género também temos oportunidade de trabalhar e refletir sobre masculinidades. O que é ser homem? Que valores definem a masculinidade? Que diferentes masculinidades existem? E se existem comportamentos e atitudes que estão na base das diferentes desigualdades sociais e formas de violência, estamos perante de mais uma razão para contar com o homem nesta reflexão.

A 2º edição do “O homem promotor da igualdade – Homens e mulheres lado a lado pela igualdade de género” é de entrada livre e as inscrições podem ser feitas através do site https://www.promotoresdaigualdade.pt. Acontecerá a 15, 16 e 17 de novembro, no auditório JJ Laginha, no ISCTE-IUL. Este é um encontro que conta com o apoio da Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Drª Rosa Monteiro, e do BNP Paribas.