O humor como denúncia social

Nanette é um murro no estômago. Não, Nanette são vários murros no estômago que se vão intensificando à medida que se aproxima do final deste especial do Netflix. A verdade é que o humor não tem de ser interventivo ou transformativo. Mas pode ser, e Hannah Gadsby usa o seu espaço de stand up e a sua visibilidade para ser interventiva, transformativa e, acima de tudo, denunciar. Uma denúncia social que vem no formato de um especial de comédia de uma hora, e que é uma desconstrução sabiamente conseguida de estereótipos de género, lesbianismo, homofobia interiorizada, machismo, patriarcado, violência sexual e genderizada.

Quando terminei de ver Nanette precisei de tirar uns momentos para digerir o que acabara de ver e refletir sobre tudo o que foi dito. Hannah Gadsby pondera desistir da comédia (esperemos que não) e está zangada, muito zangada e com razão para tal. Recomendo vivamente a sua visualização.

Para quem tem netflix aqui fica o link: https://www.netflix.com/watch/80233611